MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONFECÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS


Download do manual (.swf)

Diretor Geral: Prof. Edson Gaspar
Coordenador Pedagógico: Prof. MSc. Alexandre dos Santos Pacheco
Coordenadora Geral: Eloiza Alexandre de S. Silva

Professores responsáveis pela elaboração:
Professor. Ms. Gleison Miguel Lissemerki Ferreira
Professora Luciane Jussara Bezerra Kusbick
Professora Esp. Silvete Maria Prolo Schafranski

Professora Mestranda Noeli Kerber da Silva

APRESENTAÇÃO

O objetivo deste manual é auxiliar professores (as), e instrumentalizar alunos (as) com um modelo padrão para apresentação de trabalhos acadêmicos, bem como: trabalhos de graduação interdisciplinar, artigos científicos, relatórios, confecção de pôsteres e painéis. Além disso, estabelecer um padrão de publicação ao CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE FOZ DO IGUAÇU (CESUFOZ).

Na perspectiva de contribuir para todos os alunos e alunas da Instituição o mesmo também possa contribuir na orientação e padronização de documentos normatizados; baseado nas Normas de Documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT (NBR 14724 : 2002; NBR 12225 : 2004, NBR 6022 : 2003, NBR 6023 : 2002; NBR 6024 : 2003; NBR 6027 : 2003; NBR 6028 : 2003; NBR 10520 : 2002).

INTRODUÇÃO

A apresentação de um trabalho acadêmico, seja ele, um trabalho de graduação interdisciplinar, um artigo científico, ou um relatório, não pode dispensar certos recursos gráficos, ou aspecto visual como: capa, papel, impressão, margens, diagramação, espaçamentos e numerações. Todos constituem elementos importantes para a avaliação do trabalho tanto quanto o conteúdo propriamente dito.
A preocupação na elaboração deste manual foi estabelecer diretrizes e normas para a padronização estrutural de trabalhos acadêmicos: trabalhos de graduação interdisciplinar, artigos científicos e relatórios, tendo como base a análise das normas da ABNT, buscando a qualidade de apresentação aos trabalhos, a organização textual e o desenvolvimento lógico do seu conteúdo.

Cientes de que trabalhos de graduação interdisciplinar, trabalhos de conclusão de curso, monografias, dissertações de mestrado e teses de doutorado distinguem-se quanto à abrangência, conteúdo e exigências. Também diferindo quanto à originalidade. Com isso entende-se que, cada um a seu modo, atua na produção de conhecimentos, constituindo uma oportunidade para integrar alunas e alunos em projetos e grupos de pesquisas, sob a coordenação de professores e professoras.

Sem dúvida não foram cobertas todas as normas exaustivamente, mas elas encontram-se relacionadas no corpo deste manual, nas referências e podem ser consultadas junto a Coordenação Pedagógica sempre que houver necessidade.

Além disso, deve-se ressaltar que o conjunto de procedimentos apresentados não é impositivo e não pretende restringir a criatividade de alunos e orientadores. Caso haja a necessidade de adequação de qualquer um dos procedimentos, a Coordenação Pedagógica estará aberta ao diálogo para atender às necessidades não previstas nessa publicação.

1. DEFINIÇÕES

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

As normas escolhidas como referência para esta padronização (ABNT/NBR-14724 : 2002, NBR 12225 : 2004, NBR 6022 : 2003, NBR 6023 : 2002; NBR 6024 : 2003; NBR 6027 : 2003; NBR 6028 : 2003; NBR 10520 : 2002) são aplicadas para: teses, dissertações, monografias, trabalhos de conclusão de curso, trabalho de graduação interdisciplinar, artigos científicos e confecção de relatórios. Segue abaixo uma breve definição de cada documento.

Tese: Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão. É realizado sob a coordenação de um orientador e visa a obtenção do título de doutor.

Dissertação: Documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento da literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É realizado sob a coordenação de um orientador, visando a obtenção do título de mestre.

Trabalhos de conclusão de curso/ trabalho de graduação interdisciplinar: documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido. Deve estar emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. E ser elaborado sob a coordenação de um orientador.

Artigos: Conforme a NBR 6022/2003 artigo é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento. O artigo tem como objetivo divulgar estudos e pesquisas no meio científico visando à evolução do conhecimento e das ciências.

Relatórios: Documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa ou que descreve a situação de uma questão técnica ou científica.

2. ARTIGOS CIENTÍFICOS

Conforme a NBR 6022/2003 artigo é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.

2.1 Objetivos

Divulgar estudos e pesquisas no meio científico visando à evolução do conhecimento e das ciências.

2.2 Introdução

As orientações aqui apresentadas são baseadas na norma da ABNT para apresentação de artigos científicos impressos: a NBR 6022, 2003. Essa norma apresenta os elementos que constituem um artigo científico. Todavia ao submeter um artigo científico à aprovação de uma revista, o autor deverá seguir as normas editoriais adotadas pela revista.

Além da NBR 6022, ao preparar um artigo científico deve-se consultar as normas abaixo relacionadas:

AUTOR TÍTULO DATA
ABNT NBR6023: Elaboração de referências

2002

ABNT NBR6024: Numeração progressiva das seções de um documento

2003

ABNT NBR6028: Resumos

2003

ABNT NBR10520 Informação e documentação citação em documento

2002

IBGE Normas de apresentação tabular.

1993

Quadro1: Normas usadas na elaboração de um artigo científico.
Fonte: ABNT. NBR 6022 (2003, p. 1).

O quadro deve ter uma numeração seqüencial.
O título e a fonte devem vir na parte inferior.

“Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento” (ABNT. NBR 6022, 2003, p.2)
Citação direta ,com até três linhas deve vir inserida no texto entre aspas .
Para Lakatos e Marconi (1991) os artigos científicos têm as seguintes características:

  1. a) não se constituem em matéria de um livro;
  2. b) são publicados em revistas ou periódicos especializados;
  3. c) permitem ao leitor, por serem completos, repetir a experiência.

 

Ao submeter um artigo a uma revista, este deverá seguir as normas editoriais da mesma.

2.3 Tipos de Artigo Científico

  1. Original ou divulgação: apresenta temas ou abordagens originais e podem ser: relatos de caso, comunicação ou notas prévias.
  2. Revisão: os artigos de revisão analisam e discutem trabalhos já publicados, revisões bibliográficas etc.

2.3.1 Estrutura

O artigo científico tem a mesma estrutura dos demais trabalhos científicos:

  1. a) Pré-textual
  2. b) Textual
  3. Pós-textual

2.3.2 Elementos pré-textuais

  1. o título e subtítulo (se houver) devem figurar na página de abertura do artigo, na língua do texto;
  2. a autoria: Nome completo do(s) autor(es) na forma direta, acompanhados de um breve currículo que o (s) qualifique na área do artigo;
  3. o currículo: incluindo endereço (e-mail) para contato, deve aparecer em nota de rodapé;
  4. resumo na língua do texto: o resumo deve apresentar de forma concisa, os objetivos, a metodologia e os resultados alcançados, não ultrapassando 250 palavras. Não deve conter citações. “Deve ser constituído de frases utilizando o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular” (ABNT. NBR-6028, 2003, p. 2);
  5. palavras-chave na língua do texto: elemento obrigatório, devem figurar abaixo do resumo, antecedidas da expressão: Palavras-chave1 separadas entre si por ponto, conforme a (NBR 6028, 2003, p. 2.)

Os elementos pré-textuais devem figurar na primeira folha do artigo.

2.3.3 Elementos textuais

  1.  
  2. Introdução

 

Na introdução deve-se expor a finalidade e os objetivos do trabalho de modo que o leitor tenha uma visão geral do tema abordado. De modo geral, a introdução deve apresentar:

  1. o assunto, objeto de estudo;
  2. o ponto de vista sob o qual o assunto foi abordado;
  3. trabalhos anteriores que abordam o mesmo tema;
  4. as justificativas que levaram a escolha do tema, o problema de pesquisa, a hipótese de estudo, o objetivo pretendido, o método proposto, a razão de escolha do método e principais resultados. (GUSMÂO: MIRANDA 1997 apud RELATÓRIO 2003) Citação de citação
  1. Desenvolvimento

É a parte principal e mais extensa do trabalho, deve apresentar a fundamentação teórica, a metodologia, os resultados e a discussão. Divide-se em seções e subseções conforme a NBR 6024, 2003.

  1. Conclusão
  1. a conclusão deve responder às questões da pesquisa, correspondentes aos objetivos e hipóteses;
  2. deve ser breve podendo apresentar recomendações e sugestões para trabalhos futuros;
  3. em artigos de revisão deve-se excluir material, método e resultados.

2.3.4 Elementos Pós-Textuais

  1. título e subtítulo (se houver) em língua estrangeira;
  2. resumo em língua estrangeira: versão do resumo na língua do texto;
  3. palavras-chave em língua estrangeira: versão das palavras-chave na língua do texto para a mesma língua do resumo em língua estrangeira;
  4. notas explicativas: a numeração das notas é feita em algarismos arábicos, devendo ser única e consecutiva para cada artigo. Não se inicia a numeração em cada página;
  5. referências: elemento obrigatório, constitui uma lista ordenada dos documentos efetivamente citados no texto. (NBR 6023, 2000);
  6. As referências devem ser alinhadas somente à margem esquerda.
  7. glossário: elemento opcional elaborado em ordem alfabética;
  8. apêndice: elemento opcional.Texto ou documento elaborado pelo autor com a finalidade de complementar o texto principal.
  9. anexo: elemento opcional. Documento não elaborado pelo autor com a finalidade de complementar o texto principal. (NBR14724,2002,p.2)
  10. São identificados por letras maiúsculas consecutivas. Ex: APÊNDICE A – ANEXO A
  11. agradecimentos e a data de entrega dos originais para publicação.

2.4 Ilustrações 

As ilustrações (quadros, figuras, fotos, etc), devem ter uma numeração seqüencial.
Sua identificação aparece na parte inferior, precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordem de ocorrência do texto, em algarismos arábicos, do respectivo título, a ilustração deve figurar o mais próximo possível do texto a que se refere. (ABNT. NBR 6022,2003, p. 5).

Citação direta com mais de três linhas, deve ter destaque de 4 cm do parágrafo. A fonte deve ser menor do que o texto. O espacejamento entre linhas deve ser simples. NBR 14724, 2003).

2.5 Tabelas 

Conforme o IBGE (1993) as tabelas devem ter um número em algarismo arábico, seqüencial, inscritos na parte superior, a esquerda da página, precedida da palavra Tabela.
Exemplo: Tabela 5 ou Tabela 3.5

  1. a) Título: devem conter um título por extenso, inscrito no topo da tabela, para indicar a natureza e abrangência do seu conteúdo
  2. Fonte: a fonte deve ser colocada imediatamente abaixo da tabela em letra maiúscula/minúscula para indicar a autoridade dos dados e/ou informações da tabela, precedida da palavra Fonte.
  3. Indicativo de seção: o indicativo numérico da seção precede o título [da seção] alinhado à esquerda.

A numeração progressiva [das seções] deve ser apresentada conforme a NBR 6024, 2003.

Não se utilizam ponto, hífen, travessão ou qualquer outro sinal após o indicativo da seção ou de seu título (NBR 602, 2003, p.2)
Conforme a NBR 14724, 2002, deve-se usar a fonte 12 para o texto e para as referências. Para as citações longas, notas de rodapé, paginação, legendas das ilustrações e tabelas, usa-se tamanho menor.
A NBR 6022, 2003 não orienta quanto a apresentação gráfica dos artigos de periódicos.

2.6 Referências

As referências têm espaçamento simples e duplo entre si.

ABNT. NBR 6022: informação e documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio de Janeiro, 2003. 5 p.

ABNT. NBR6023: informação e documentação: elaboração: referências. Rio de Janeiro, 2002. 24 p.

ABNT. NBR6024: Informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro, 2003. 3p.

ABNT. NBR6028: resumos. Rio de Janeiro, 2003. 2 p.

ABNT. NBR10520: informação e documentação: citação em documentos. Rio de Janeiro, 2002. 7 p.

ABNT. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002. 6 p.

FRANÇA, Júnia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico-cientificas. 6. ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2003. 230 p.

IBGE. Normas de apresentação tabular. 3. ed. 1993.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade.Fundamentos de metodologia cientifica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1991. 270 p.

As referências são apresentadas em ordem alfabética de autor e alinhadas somente à margem esquerda.

3. TRABALHO DE GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido. E ser emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador.

3.1 Estrutura

  1. Um Trabalho de graduação interdisciplinar divide-se em três partes fundamentais: pré-textual, textual e pós-textual. Estas são dispostas na forma que segue:

3.1.1 Pré-textual

Capa, Folha de rosto, Resumo,unidades, abreviaturas etc (opcional), Lista de ilustrações (opcional), Sumário;

3.1.2 Textual

Introdução, Desenvolvimento, Conclusões e/ou recomendações;

3.1.3 Pós-textual

Referências Bibliográficas (obrigatório), Apêndice (s) (opcional), Anexo (s) (opcional)

4. RELATÓRIOS

A apresentação de um relatório técnico-científico se faz de forma clara e, sobretudo, concisa, apresentando a informação suficiente para um leitor qualificado traçar conclusões e fazer recomendações.

Como todo documento técnico-científico, um relatório divide-se em três partes fundamentais: pré-textual, textual e pós-textual. Estas são dispostas na forma que segue:

4.1 Pré-textual

Capa, Folha de rosto, Resumo na língua vernácula, Sumário, Lista de ilustrações, Lista de tabelas.

4.2 Textual

Introdução, Desenvolvimento, Conclusão e/ou recomendações;

4.3 Pós-textual

Anexos, Agradecimentos (opcional), Referências bibliográficas, Glossário (opcional), Índice(s) (opcional), Ficha de identificação do relatório, Lista de destinatários e forma de acesso ao relatório (opcional), Capa.

Na capa inicial, é necessário informar também o mês da data de apresentação do relatório. Caso necessário, informar após isso a classificação de segurança ou grau de sigilo; ex.: confidencial. O número de páginas é contado a partir da introdução (em números arábicos e seqüencialmente) até o final do relatório, sendo marcada sempre no canto superior direito da folha.

Para facilitar a leitura, o texto deve ser dividido em seções.

Os elementos da folha de rosto devem figurar na seguinte ordem: nome do órgão responsável, divisão do órgão responsável, título e subtítulo, autor, volume (se houver), classificação de segurança (caso necessário), local e data. No verso da folha de rosto aparecem informações complementares como informações sobre direitos autorais ou associação do trabalho com outros, vínculos com outros projetos etc.

Por motivos de economia, o resumo pode ser colocado na página de rosto se não for muito extenso.

Entre os elementos pós-textuais, a ficha de identificação do relatório destaca-se como item essencial. Localiza-se antes da capa final e apresenta-se sob a forma de formulário. Ex.:

Classificação de segurança:

Documento número:

Data (mês e ano):

Projeto nº:

Título e subtítulo:

Nº de volume:

Título do projeto:

Entidade executora: (autor)

Entidade patrocinada: (cliente ou destinatário principal)

 

Resumo

Palavras -Chave

Nº de edição

Nº de páginas

Observações:


5. ESTRUTURAS E SUAS CARACTERÍSTICAS

A estrutura de um trabalho de graduação interdisciplinar, artigos científicos e relatórios, são constituídos de três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.

Muitos elementos da estrutura foram suprimidos do documento original, pois os mesmos foram produzidos com a intenção de confeccionar teses, dissertações e monografias, informações estas que excedem as pretensões deste manual, expostos no delineamento de cada documento no tópico anterior.

Elementos pré-textuais

Páginas cujas informações antecedem ao texto principal do trabalho, do qual fazem parte os seguintes elementos: capa, folha de rosto, resumo e palavras-chave, sumário, listas (tabelas, figuras, etc.).

Elementos textuais

Texto principal do trabalho de graduação interdisciplinar, de artigos científicos e relatórios do qual podem fazer parte alguns ou todos os seguintes elementos: apresentação, introdução, revisão de literatura, fundamentos teóricos, resultados, desenvolvimento, conclusão e recomendações.

Elementos pós-textuais

Parte composta pelas referências bibliográficas e pelos anexos e apêndices que complementam o texto principal.

 

ESTRUTURA

 

ELEMENTOS

 

 

Pré-textuais

 

Capa
Folha de rosto
Resumo na língua vernácula
Sumário
Lista de ilustrações
Lista de tabelas

 

Textuais

 

Introdução
Desenvolvimento
Conclusão

 

 

Pós-textuais

 

Referências
Apêndice (s)
Anexo (s)

 

5.1 Elementos pré-textuais

5.1.1 Capa

Deve ser produzida em papel sulfite tamanho A4 e deve conter o nome da instituição, título, subtítulo (se houver), nome do autor, local e ano da entrega. (Modelo 1)

5.1.2 Folha de rosto

Esta página dever conter os elementos essenciais à identificação do trabalho, ou seja: identificação institucional; título do trabalho, subtítulo (se houver); nome do autor; natureza (referente à disciplina); nome da instituição à qual o trabalho será apresentado, nome do professor responsável, local e ano da entrega. (Modelo 2)

5.1.3 Resumo na língua vernácula

O resumo é a apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento.
Para os trabalhos acadêmicos da CESUFOZ recomenda-se que seja feito resumo informativo, resumo este que informa ao leitor, finalidades, metodologia, resultados e conclusões do documento.
Orientações quanto à elaboração:
utilizar frases concisas e afirmativas e não de enumeração de tópicos;
utilizar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular;
a primeira frase deve ser significativa, explicando o tema principal, seguida de informação sobre a categoria do documento (revisão...).
não deve apresentar citações bibliográficas;
não deve ultrapassar 500 palavras;
deve ser apresentado em um único parágrafo, ou seja, alinhado à margem esquerda, sem recuo de parágrafo;
deve ser digitado em fonte arial 12 e espaçamento simples.

Logo abaixo do resumo (também alinhadas à margem esquerda), devem constar as palavras representativas do conteúdo do trabalho, escolhidas, preferencialmente, em um vocabulário controlado. As palavras-chave devem ser precedidas da expressão Palavras-chave:, separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto, conforme a NBR 6028:2003.
As palavras-chave do resumo não devem ultrapassar o limite de até cinco palavras.

5.1.4 Lista de ilustrações (opcional)

É opcional, e deve ser elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto, de acordo com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número de página onde está localizado.
Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros), desde que a lista apresente mais de três itens.
Caso contrário pode-se elaborar uma única lista denominada “lista de ilustrações”, identificando-se necessariamente o tipo de ilustração antes do número. (Modelo 3)

5.1.5 Lista de tabelas (opcional)

Elemento opcional, que deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página. Conforme o conteúdo que apresentam, as tabelas podem ser estatísticas, de codificação, de conversão de unidades, técnicas, de rotina ou controle e especiais. (Modelo 4)

5.1.6 Sumário (obrigatório)

Trata-se da enumeração dos capítulos, seções e outras partes do trabalho. Deve ser elaborado na ordem em que se sucedem no texto, com indicação da página inicial e caso haja mais de um volume, deve constar o sumário completo do trabalho no mesmo, especificando os capítulos, seções ou partes de cada volume.

Observações gerais NBR 6027:2003 e NBR 6024:2003:

Alinhar todas as seções à esquerda;
Não usar traço ou ponto depois do número da seção;
Suprimir a palavra capítulo;
Nas subdivisões dos capítulos apenas a primeira letra da frase deve estar em caixa alta, exceto nomes próprios e siglas. (Modelo 5)

5. 2 Elementos textuais

Parte principal do texto, constituído de três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e conclusão contendo a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Divide-se em seções e subseções, que variam em função da natureza da pesquisa e metodologia(s) adotada(s) e das discussões envolvidas no trabalho.

5.2.1 Introdução

Parte inicial do texto, onde devem constar a delimitação do assunto tratado, objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho, como métodos do trabalho ou da pesquisa e o período abrangido.
Fornece uma idéia global do trabalho. Em geral, uma introdução contém as seguintes informações (não obrigatoriamente nesta ordem e com todos os itens):
Contextualização do problema (justificativa com problema) este assunto está inserido na área em que o aluno mais se identifica, nesta área, o aluno deve escolher uma subárea, podendo, então, estabelecer o tema que deseja trabalhar.
A definição do problema ressalta a importância da pesquisa no contexto acadêmico.
Na introdução, não se listam as conclusões da pesquisa ou do trabalho.
Trata-se de uma preparação do leitor para a leitura do trabalho sem explicitar as questões fundamentais. É a “porta de entrada do trabalho”. Em geral, a introdução é a última parte que é redigida. Poderá ser feita depois do trabalho pronto.

5.2.2 Justificativa

Relevância do problema ou tema estudado. O que é necessário saber ou é controvertido sobre o tema.
Deve conter o que levou o aluno a escolher o tema de pesquisa.
Contribuições pessoais, sociais e profissionais...

5.2.3 Objetivo geral e específicos

Objetivo geral é aquele sobre o qual recaem todas as atenções, porque o problema foi formulado para solucioná-lo. Ele está encarregado de apresentar a proposta de uma forma clara, mas genérica, de forma que possa ser melhor apresentada em detalhes quando especificada, desdobrada.
Objetivo específico Identifica as principais barreiras à implementação do planejamento estratégico.

5.2.4 Formulação das hipóteses

Proposições sobre possíveis relações entre as variáveis;respostas provisórias. Prováveis respostas às inquietações e perguntas formuladas no problema.

5.2.5 Metodologia de pesquisa

O delineamento ou design da pesquisa; o universo e a amostra (se for o caso); a delimitação do caso (estudo de caso); o processo e instrumentos de coleta de dados e as regras para a análise dos mesmos e a interpretação dos resultados obtidos; enfim, a descrição detalhada da metodologia utilizada.

5.2.6 Desenvolvimento

Parte principal do texto, que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Divide-se em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e do método.
A elaboração do conteúdo do trabalho acadêmico deverá seguir a orientação do Professor Orientador, e estar de acordo com o trabalho apresentado.

5.2.7 Análise dos resultados

Apresenta as variáveis de análise, classificando e analisando as mesmas, assim como discorrer sobre as tabelas, quadros e gráficos.

5.2.8 Conclusão

É a recapitulação sintética dos resultados e da discussão do estudo ou pesquisa. Deve apresentar deduções lógicas correspondente aos objetivos propostos.
Também deve basear-se nos dados analisados, ressaltando as conseqüências das contribuições dos resultados da análise, deixando claro quais delas foram confirmadas e quais foram refutadas.
           Ser conclusiva, a menos que a pesquisa remeta a ampliação no sentido de não ter dado resposta ao problema.
Pode incluir recomendações para novos estudos e limitações para a utilização dos resultados.
Não deve conter citações, pois se trata de algo que o autor(a) concluiu do estudo.

5.3 Elementos Pós-textuais

5.3.1 Lista de Referências (obrigatório)

Conjunto padronizado de elementos que permitem a identificação de um documento, no todo ou em parte. Constitui-se de uma lista ordenada alfabeticamente de documentos citados pelo autor. Deve obedecer a NBR 6023:2002 (Informação e documentação referências - Elaboração).
Na Lista de Referências devem constar obrigatoriamente todas as obras citadas no trabalho.
Documentos utilizados como suporte para a elaboração do trabalho, como dicionários gerais, normas para apresentação, entre outros não devem ser referenciados. (Modelo 6)

5.3.2 Glossário (opcional)

É uma relação, em ordem alfabética, de palavras ou expressões de uso restrito ou de sentido obscuro, acompanhadas das respectivas definições, com o objetivo de esclarecer o leitor sobre o significado dos termos empregados no trabalho. (Modelo 7)

5.3.3 Apêndice (opcional)

São textos ou documentos elaborados pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho. São identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e os respectivos títulos.
Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas na identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto. (Modelo 8)

5.3.4 Anexo(s) (opcional)

São documentos não elaborados pelo autor, que servem de fundamentação, comprovação ou ilustração. São identificados por letras maiúsculas e consecutivas, travessão e os respectivos títulos. (Modelo 9)

5.3.5 Modelos

São alguns exemplos práticos para formatar e apresentar o documento.

6. FORMATO GRÁFICO

6.1 Papel

Branco – formato A4 (21 cm x 29,7 cm), digitação na cor preta, com exceção das ilustrações.
No texto, digitar em espaço 1,5 – exceto as referências que devem ter espaço simples, e citações com recuo de 4 cm. (ver NBR14724/2002)

6.2 Fonte

Arial, tamanho 12 para o texto, e tamanho 10 para a citação direta de mais de três linhas. (NBR 14724/2002)
Alinhamento do texto: justificado.
O artigo, paper e a resenha possuem em sua estrutura as informações obrigatórias em um trabalho acadêmico (autor, título, instituição, etc), portanto não é necessária a capa.

6.3 Margens

Esquerda 3.0 cm / direita, superior e inferior 2,5 cm.

6.4 Paginação

As folhas são contadas seqüencialmente, a partir da folha de rosto, mas não numeradas. A partir da primeira folha da parte textual, ou seja, da introdução, a numeração é colocada em algarismos arábicos, no canto superior direito. Todo o começo de capítulo deve iniciar em nova página;

6.5 Títulos

6.5.1 Títulos sem indicativo numérico

Errata, agradecimentos, lista de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos, resumos, sumário, referências, glossário, apêndices, anexos e índices devem ser centralizados;

6.5.2 Títulos com indicativo numérico

 São alinhados à esquerda e devem ser precedidos por seu indicativo numérico e dele separado por um espaço de caractere;
Destacam-se gradativamente os títulos das seções, utilizando-se os recursos de negrito e caixa alta, no sumário e de forma idêntica, no texto.

6.5.3 Siglas

As siglas, quando aparecem pela primeira vez no texto, a forma completa do nome precede a sigla, colocada entre parênteses;

7. ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO

7.1 Citações

Citação é a menção, no texto, de informação extraída de outra fonte para esclarecer, ilustrar ou sustentar o assunto apresentado e pode aparecer no texto ou em notas de rodapé. Há alguns modos básico de se apresentar a referência:

  1. a) citação direta, transcrição textual de parte da obra do autor consultado;
  2. b) citação indireta, texto baseado na obra do autor consultado;
  3. c) citação de citação, referência direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original.

7.1.1 Citação Direta

Exemplos de citação autor-data:
“Fixação de preços por margem simples que é técnica mais aplicada para determinar preço de venda, porém tem que obedecer certas regras”. (LERE, 1979, p. 58)
No entendimento dos autores Almeida, Parisi e Pereira (1999, p. 370), “a Controladoria enquanto ramo do conhecimento baseada na teoria contábil é responsável pela construção dos sistemas de informações e pelo Modelo de Gestão Econômica.”
Na referência Bibliográfica:

ALMEIDA, Lauro Brito de; PARISI, Claudio; PEREIRA, Carlos Alberto. Controladoria. In: CATELLI, Armando (Coord.). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica – GECON. São Paulo: Atlas, 1999.

7.1.2 Citação Indireta

O primeiro objetivo dos contadores ao desenvolverem um sistema de custeio é a mensuração monetária dos estoques e do resultado e não a utilização das informações providas pelo sistema como instrumento de apoio gerencial (MARTINS, 1998).

7.1.3 Citação da Citação

Segundo Montoro Filho (1982, p. 116-7 apud SANTOS, 1995), “existem mecanismos auto-regulatórios de mercado que atuam em situações de excesso de demanda ou de excesso de oferta de produtos”.

Apud = citado por, conforme

7.1.4 Orientações gerais

Quando o autor citado estiver dentro dos parênteses, usar caixa alta.

(OLIVEIRA, 1997, p. 119) e/ou (ROJAS; DOMINGUES, 2002, p. 34).

Quando o autor estiver fora dos parênteses, usar caixa normal.

Sá (1983, p. 9-11)

7.1.5 Vários trabalhos

A citação de vários autores numa frase poderá obedecer a ordem alfabética ou cronológica, quando citados em bloco no texto. A opção por qualquer dos critérios deverá ser seguida uniformemente, em toda a matéria.

Exemplo: ordem alfabética:

Coopers (1996); Dwyer (1987); Mckinsey (1997); Morehouse (1995).
Exemplo: ordem cronológica:
Dwyer (1987); Morehouse (1995); Coopers (1996); Mckinsey (1997)
Quando o texto da citação direta transcrito tiver até três linhas, utilizar aspas duplas.
As citações diretas com mais de três linhas, devem ser destacadas com recuo de 4 cm da margem esquerda, com letra menor que a do texto, com espaçamento simples e sem as aspas. As aspas simples, são usadas para indicar citação no interior da citação.
Para enfatizar trechos da citação, deve-se destacá-los, indicando esta alteração com a expressão grifo nosso entre parênteses, após a chamada da citação, ou grifo do autor, caso o destaque já faça parte da obra consultada.

Todas as ciências caracterizam-se pela utilização de métodos científicos; em contrapartida, nem todos os ramos de estudo que empregam estes métodos são ciências. Dessas afirmações pode se concluir que a utilização de métodos científicos não é da alçada exclusiva da ciência, mas não há ciência sem o emprego de métodos científicos. Marconi e Lakatos (2003, p. 83, grifo dos autores):

As supressões devem ser indicadas entre colchetes: Ex: [...] é um encontro entre duas pessoas.
As citações devem ser inseridas no texto pelo sistema de chamada: autor-data. Método que deve ser seguido consistentemente ao longo de todo o trabalho, permitindo sua correlação na lista de referências ou em notas de rodapé.
Consultar NBR 10520:2002

7.1.6 Notas de rodapé

Indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou editor, podendo também aparecer na margem esquerda ou direita da mancha gráfica (espaço delimitado na folha pelas margens).
Deve-se utilizar o sistema autor-data para as citações no texto e o numérico para notas explicativas. As notas de rodapé podem ser de Referência ou Explicativas e devem ser alinhadas, a partir da segunda linha da mesma nota, abaixo da primeira letra da primeira palavra, de forma a destacar o expoente e sem espaço entre elas e com fonte menor:

  1. a) nota de referência - a numeração das notas de referência é feita por algarismos arábicos, devendo ter numeração única e consecutiva para cada capítulo ou parte. Não se inicia a numeração a cada página. A primeira citação de uma obra, em nota de rodapé, deve ter sua referência completa:
1 FARIA, José Eduardo (Org.). Direitos humanos, direitos sociais e justiça. São Paulo: Malheiros, 1994.
  1. b) nota explicativa - a numeração das notas explicativas é feita em algarismos arábicos, devendo ter numeração única e consecutiva para cada capítulo ou parte.

Não se inicia a numeração a cada página:

No texto:
Os pais estão sempre confrontados diante das duas alternativas: vinculação escolar ou vinculação profissional ³.

No rodapé da página:

3  Sobre essa opção dramática, ver também Morice (1996, p. 269-290).

Consultar a norma NBR 10520:2002 ( Informação e Documentação – Citações em documentos – Apresentação)

7.1.7 Alíneas

Quando for necessário enumerar os diversos assuntos de uma seção que não possua título, esta deve ser subdividida em alíneas.

Orientações gerais:

  1. a) o trecho final que antecede as alíneas, termina em dois pontos;
  2. b) as alíneas são ordenadas alfabeticamente;
  3. c) as letras indicativas das alíneas são reentradas em relação à margem esquerda;
  4. d) o texto da alínea começa por letra minúscula e termina em ponto-e-vírgula, exceto a última alínea que termina em ponto; e, nos casos em que se seguem subalíneas, estas terminam em vírgula; - as subalíneas devem começar por um hífen, colocado sob a primeira letra do texto da alínea correspondente, dele separadas por um espaço. As linhas seguintes do texto da subalínea começam sob a primeira letra do próprio texto,
  5. e) a segunda e as seguintes linhas do texto da alínea começam sob a primeira letra do texto da própria alínea.

Exemplo:

[...] o cenário mundial atual é caracterizado, além de outros, pelos seguintes fatores:
a)     grande número de companhias buscando financiamento em outros mercados;
b)     intenso aumento de investidores procurando diversificar seus investimentos internacionalmente. Tais investidores enfrentam dificuldades devido às diferenças contábeis nacionais;
c)     conforme escrito anteriormente, formação de blocos econômicos, dinamizando o fluxo de investimentos entre os países constituintes.

Consultar NBR 6024:2003.

7.1.8 Ilustrações

Qualquer que seja seu tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros) sua identificação aparece na parte inferior, precedida da palavra designativa, seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, do respectivo título e/ou legenda explicativa de forma breve e clara, dispensando consulta ao texto, e da fonte. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere, conforme o projeto gráfico.

02

FIGURA 1 Várias formas de memória Fonte: Kandel et al. (2003, p.1231).

7.1.9 Tabelas

As tabelas apresentam informações tratadas estaticamente. Constituem uma forma adequada para apresentar dados numéricos, principalmente quando compreendem valores comparativos.

Exemplo:

Tabela 1 – Aceleração do processo Interativo


Parâmetros Constantes

Expressões

Tempo Seg.

A

1

36,5

A

2

42,8

A

3

25,3

B

4

13,5

A e B

7

12,5

A e B

8

8,0

A e B

9

9,5

(*) A é mantido constante durante 4 seg. antes que b seja feito constantemente.

Fonte: IBGE (1996. p.56).

8. INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - REFERÊNCIAS – ELABORAÇÃO

(Modelos de Referências de acordo com a NBR 6023/Ago 2002)

8.1 Definições

Cuidados:

Onde utilizar letras maiúsculas e minúsculas;
Alinhar somente a margem esquerda e de forma a se identificar individualmente cada documento, em espaço simples e separados entre si por espaço duplo;
Os elementos essenciais e complementares da referência devem ser apresentados em seqüência padronizada;
O recurso tipográfico (negrito, grifo ou itálico) utilizado para destacar o elemento do título deve ser uniforme em todas as referências de um mesmo documento;
Travessão com (6) espaços para substituir o nome do autor quando já tiver sido citado anteriormente ou quando o autor do capítulo for o mesmo da obra como um todo;
Os nomes dos autores devem ser separados por ponto e virgula, seguido de espaço e se optar para abreviar o primeiro nome do autor, seguir o mesmo padrão para todas as referências;
Autoria desconhecida, a entrada é feita pelo título;
Quando houver indicação explícita da responsabilidade pelo conjunto da obra em coletâneas de vários autores a entrada deve ser feita pelo nome do responsável, seguida de abreviação, no singular do tipo de participação (organizador, compilador etc.) entre parênteses;
Responsabilidade entidades (órgãos governamentais, empresas, associação) tem entrada pelo seu próprio nome por extenso;
Título e o subtítulo devem ser reproduzidos tal como figuram no documento, separados por dois pontos;
Edição – utilizar abreviaturas dos numerais ordinais e da palavra ed. adotada na língua do documento (5th ed.) (6. ed.).

8.2 Monografias (livros, folhetos, relatórios etc.) - (no todo)

Item não seriado, isto é, item completo, constituído de uma só parte ou que se pretende completar em um número preestabelecido de partes separadas.
SOBRENOME, Nome. Título: subtítulo se houver. Edição. Local: Editora. data de publicação. página. volume. série.

RAMALHO JÚNIOR, F.; FERRARO, N. G.; SOARES, P. A. T. Os fundamentos da física. São Paulo: Moderna, 1995. 3 v.

TURRA, C. M. G. et al. Planejamento de ensino e avaliação. 11. ed. Porto Alegre: Sagra, 1996. 301 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação - apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2001.

8.3 Partes de Monografias (Livros, Folhetos, Relatórios Etc.) 

SOBRENOME, Nome. Título. In: ______. Título (do todo). Edição. Local: Editora, data. volume ou página (inicial e final da parte referenciada).

HEGENBERG, L. Generalizações nomológicas e acidentais. In: ______. Etapas da investigação científica. São Paulo: EPU, EDUSP, 1976. p. 2, cap. 2, item 2.3, p. 42-48.

Nota: Quando o autor da parte for o mesmo da obra, empregar o travessão de seis espaços após o "In:" representando a repetição do autor.

SOBRENOME, Nome (da parte). Título (da parte). In: SOBRENOME, Nome (do todo). Título (do todo). Edição, Local: Editora, data. volume ou página (inicial e final da parte referenciada).

ABRAMO, P. Pesquisa em ciências sociais. In: HIRANO, S. (org). Pesquisa social: projeto e planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979. parte 1, cap. 2, p.21-88.

8.4 Trabalhos apresentados em congressos, reuniões etc.

8.4.1 Elementos essenciais

Os elementos essenciais são: autor(es), título do trabalho apresentado, seguido da expressão In:, nome do evento numeração do evento (se houver), ano e local (cidade de realização, título do documento (anais, atas, tópico temático etc.), local, editora, data de publicação e página inicial e final da parte referenciada.

Exemplos:
BRAYNER, A. R. A.; MEDEIROS, C. B. Incorporação do tempo em SGBD orientado a objetos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 9., 1994, São Paulo. Anais…São Paulo: USP, 1994. P. 16-29.

SOUZA, L. S.; BORGES, A. L.; REZENDE, J. O. Influência da Correção e do preparo do solo sobre algumas propriedades químicas do solo cultivado com bananeiras . In: REUNIÃO BRASILEIRA DE FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS, 21., 1994, Petrolina. Anais… Petrolina: EMBRAPA, CPATSA, 1994. p. 3-4.

8.4.2 Elementos complementares

Quando necessário, acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento.
Exemplo:

MARTIN NETO, L.; BAYER, C.; MIELNICZUK, J. Alterações qualitativas da matéria orgânica e os fatores determinantes da sua estabilidade num solo podzólico vermelho-escuro em diferentes sistemas de manejo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1997. p. 443, ref. 6-141.

8.4.3 Teses e Dissertações

SOBRENOME, Nome. Título: subtítulo. Local (cidade), data. Número de páginas ou volumes. Categoria (Grau e Área de concentração) - Nome do Curso/Faculdade, Universidade.

Exemplo:
SILVA, M. B. P. da. Um estudo da relação entre resultados do concurso vestibular e desempenho acadêmico em psicologia. Curitiba, 1989. 120 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Paraná.

8.4.4 Periódicos

Publicação em qualquer tipo de suporte, editada em unidades físicas sucessivas, com designações numéricas e/ou cronológicas e destinada a ser continuada indefinidamente.

citado no todo:
TITULO DA PUBLICAÇÃO. Local da publicação: Editora, Ano inicial-Final. Periodicidade.
VEJA. São Paulo: Abril Cultural, 1950- . Semanal.

8.4.5 Artigo e/ou matéria de revista, boletim etc.

Inclui partes de publicações periódicas (volumes, fascículos, números especiais e suplementos, com título próprio), comunicações, editorial, entrevistas, recensões, reportagens, resenhas e outros.
Os elementos essenciais são: autor(es), título da parte, artigo ou matéria, título da publicação, local de publicação, numeração correspondente ao volume e/ou ano, fascículo ou número, paginação inicial e final, quando se tratar de artigo ou matéria, data ou intervalo de publicação e particularidades que identificam a parte (se houver).

Exemplos:

As 500 maiores empresas do Brasil. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, v. 38, n. 9, set. 1984. Edição Especial.

MÃO-DE-OBRA e previdência. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Rio de Janeiro, v. 7, 1983. Suplemento.

COSTA, V. R. À margem da lei. Em Pauta, Rio de Janeiro, n. 12, p. 131-148, 1998.
GURGEL, C. Reforma do Estado e Segurança pública. Política e Administração, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.

TOURINHO NETO, F.C. Dano ambiental. Consulex, Brasília, DF, ano 1, n. 1, p. 18-23, fev. 1997.

Quando necessário, acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento.

COSTA, V. R. À margem da lei: o Programa Comunidade Solidária. Em Pauta: revista da Faculdade de Serviço Social da UERJ, Rio de Janeiro, n. 12, p. 131-148, 1998.

8.4.6 Artigo e/ou matéria de jornal

Os elementos essenciais são: autor(es) (se houver), título, título do jornal, local de publicação, data de publicação seção, caderno ou parte do jornal e a paginação correspondente. Quando não houver seção, caderno ou parte, a paginação do artigo ou matéria precede a data.

Exemplos:
COSTURA x P.U.R. Aldus, São Paulo, ano 1, n. 1, nov. 1997. Encarte técnico, p. 8.

NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 jun. 1989. Folha Turismo, Caderno 8, p. 13.

LEAL, L. N. MP fiscaliza com autonomia total. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 3, 25 abr. 1999.

Quando necessário, acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento.

Exemplo:

PAIVA, Anabela. Trincheira musical: músico dá lições de cidadania em forma de samba para crianças e adolescentes. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 2, 12 jan. 2002.

8.4.7 Documento jurídico

Inclui legislação, jurisprudência (decisões judiciais) e doutrina (interpretação dos textos legais).

8.4.8 Legislação

Compreende a Constituição, as emendas constitucionais e os textos legais infraconstitucionais (lei complementar e ordinária, medida provisória, decreto em todas as suas formas, resolução do Senado Federal) e normas emanadas das entidades públicas e privadas (ato normativo, portaria, resolução, ordem de serviço, instrução normativa, comunicado, aviso, circular, decisão administrativa, entre outros).
Os elementos essenciais são: Jurisdição (ou cabeçalho da entidade, no caso de se tratar de normas), título, numeração, data e dados da publicação. No caso de Constituições e suas emendas, entre o nome da jurisdição e o título, acrescenta-se a palavra Constituição, seguida do ano de promulgação, entre parênteses.

Exemplos:
SÃO PAULO (Estado). Decreto n.º 42.822, de 20 de janeiro de 1998. Lex: coletânea de legislação e jurisprudência, São Paulo, v. 62, n. 3, p. 217-220, 1998.

BRASIL. Medida provisória n.º 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997.

Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 dez. 1997. Seção 1, p. 29514.

BRASIL. Decreto-lei n.º 5.452, de 1 de maio de 1943. Lex: coletânea De legislação: edição federal, São Paulo, v. 7, 1943. Suplemento.

8.5 Documentos Eletrônicos

8.5.1 Parte de monografia em meio eletrônico

As referências devem obedecer aos padrões indicados para partes de monografias, acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, on-line etc.). Quando se tratar de obras consultadas on-line.
Exemplo:

MORFOLOGIA dos artrópodes. In: ENCICLOPÉDIA multimídia dos seres vivos. [S.l.]: Planeta DeAgostini, c1998. CD-ROM 9.

POLÍTICA. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 1998. Disponível em:<http://www.priberam.pt/ >. Acesso em: 8 mar. 1999.

8.5.2 Artigo e/ou matéria de revista, boletim etc. em meio eletrônico

As referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de revista, boletim etc., acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, on-line etc.).

Exemplos:
VIEIRA, Cássio Leite; LOPES, Marcelo. A queda do cometa. Neo Interativa, Rio de Janeiro, n. 2, inverno 1994. 1 CD-ROM.

SILVA, M.M.L. Crimes da era digital. .Net, Rio de Janeiro, nov. 1998. Seção Ponto de Vista. Disponível em: <http://www.brazilnet.com.br/ Contexts/brasilrevistas.htm>. Acesso em: 28 nov. 1998.

8.5.3 Artigo e/ou matéria de jornal em meio eletrônico

As referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de jornal, acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, on-line etc.).

Exemplo:
SILVA, Ives Gandra da. Pena de morte para o nascituro. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 set. 1998. Disponível em: <http://www.providafamilia.org/pnea_ Morte_nascituro.htm>. Acesso em: 19 set. 1998.

ARRANJO Tributário. Diário do Nordeste On-line, Fortaleza, 27 nov. 1998. Disponível em: <http://www.diariodonordeste.com.br>. Acesso em: 28 nov. 1998.

8.5.4 Trabalho apresentado em evento em meio eletrônico

As referências devem obedecer aos padrões indicados para trabalhos apresentados em evento, acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, on-line etc.).

Exemplos:
GUNCHO, M. R. A educação à distância e a biblioteca universitária. In: SEMINÁRIO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 10., 1998, Fortaleza. Anais… Fortaleza: Tec Treina, 1998. 1 CD-ROM.

SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais eletrônicos… Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.propesq.ufpe.br/ Anais/anais/educ/ce04.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.

8.5.5 Documento jurídico em meio eletrônico

As referências devem obedecer aos padrões indicados para documento jurídico, acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes, CD-ROM, on-line etc.).

Exemplos:

LEGISLAÇÃO brasileira: normas jurídicas federais, bibliografia Brasileira de Direito. 7. ed. Brasília, DF: Senado Federal, 1999. 1 CDROM. Inclui resumos padronizados das normas jurídicas editas entre janeiro de 1946 e agosto de 1999, assim como textos integrais de diversas normas.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula n.º 14. Não é admissível, por ato administrativo, restringir, em razão de idade, inscrição em concurso para cargo público. Disponível em: <http://www. Truenetm.com.br/jurisnet/sumusSTF.html>. Acesso em: 29 nov. 1998.

8.6 Ordenação das referências

As referências dos documentos citados em um trabalho devem ser ordenadas de acordo com o sistema utilizado para citação do texto, conforme NBR 10520. Os sistemas mais utilizados são: alfabético (ordem alfabética de entrada) e numérico (ordem de citação no texto).

8.6.1 Sistema alfabético

Para este manual foi estabelecido a utilização do sistema alfabético, as referências devem ser reunidas no final do trabalho, do artigo ou do capítulo, em uma única ordem alfabética. As chamadas no texto devem obedecer à forma adotada na referência, com relação à escolha da entrada, mas não necessariamente quanto à grafia, conforme NBR 10520.

Exemplo:
No texto:
Para Gramsci (1978) uma concepção de mundo crítica e coerente pressupõe a plena consciência de nossa historicidade, da fase de desenvolvimento por ela representada.[…].Nesse universo, o poder decisório está centralizado nas mãos dos detentores do poder econômico e na dos tecnocratas dos organismos internacionais (DREIFUSS, 1996).
Os empresários industriais, mais até que os educadores, são, precisamente, aqueles que hoje identificam tendências na relação entre as transformações pelas quais vêm passando o processo de trabalho. O nível de escolaridade e a qualificação real exigida pelo processo produtivo (CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA, 1993).

Na lista de referências:

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (Brasil). Educação Básica e formação profissional. Salvador, 1993.

DREIFUSS, René. A era das perplexidade: mundialização, globalização e planetarização. Petrópolis: Vozes, 1996.

GRAMSCI, Antônio. Concepção dialética da História. 2. ed. Rio de JaneiroL Civilização Brasileira, 1978.

Eventualmente, o(s) nome(s) do(s) autor(es) de várias obras referenciadas sucessivamente, na mesma página, pode(m) ser substituído(s), nas referências seguintes à primeira, por um traço sublínear (equivalente a seis espaços) e ponto.

Exemplo:

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família Brasileira sob regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1943. 2 v.

______. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado rural no Brasil. São Paulo: Ed. Nacional, 1936.

Além do nome do autor, o título de várias edições de um documento referenciado sucessivamente, na mesma página, também pode ser substituído por um traço sublínear nas referências seguintes à primeira.

Exemplo:
FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos: decadência do Patriarcado rural do Brasil. São Paulo: Ed. Nacional, 1936. 405 p. ______.______. 2. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1938. 410 p.

9. REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: citações em documentos - apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002. 7 p.

______. NBR 12225: Informação e documentação – Lombada – Apresentação. Rio de Janeiro, 2004.

______.. NBR 14724: Trabalhos acadêmicos - apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002. 6 p.

______.. NBR 6022: artigo em publicação periódica científica impressa – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. 5 p.

______.. NBR 6023: informação e documentação: elaboração de referências. Rio de Janeiro: ABNT, 2002. 24 p.

______.. NBR 6024 Numeração progressiva das seções de um documento escrito - apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. 02 p.22

______. NBR 6027: Sumário. Rio de Janeiro, 2003.

______.. NBR 6028: resumo - apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2003. 2 p.

10. INSTRUÇÕES PARA CONFECÇÃO DE PÔSTERS E PAINÉIS.

Esta seção do manual define um formato padrão para apresentações de posters e painéis para a publicação de trabalhos em exposições livres, que forem realizadas no Centro de Ensino Superior de Foz do Iguaçu.

10.1 Finalidades

a) PAINEL
Apresentação de trabalhos sobre o mesmo tema e com pontos de vista diferentes.

b) PÔSTERS

Fornecer esclarecimentos sobre estudos e resultados de pesquisas.

10.2 Forma de Exposição ao Público Participante

Trabalhos via cartazes - banners, fotos, figuras, esquemas, quadros, textos concisos.

10.3 Função do Banner

Sintetizar informações e dados relevantes da pesquisa.

10.4 Formato Gráfico

  1.  

a) Tamanho do banner 90X100cm;
b) Tamanho da fonte e espaçamento entre linhas (legível a uma distância de 2m – dependerá da quantidade de informação contida; no banner).
c) Cor da fonte (Que se destaque da cor definida no segundo plano do banner).
d) Alinhamentos (justificado).
e) Margens (esquerda 3.0 cm / direita, superior e inferior 2,5 cm.).

10.5 Estrutura do banner

10.5.1 Título

Deve ser sintético e refletir a essência do trabalho.

10.5.2 Autores

Citados por extenso, acompanhados de sua vinculação.

10.5.3 Introdução

Apresenta uma visão geral do trabalho. Utilizando autores e teorias que dão subsídios ao trabalho.

10.5.4 Objetivos

Expõem claramente a finalidade do trabalho. Podem ser gerais e específicos.

10.5.5 Metodologia

Apresenta os procedimentos de coletas e análise dos dados.

10.5.6 Desenvolvimento Resultados Obtidos

Apresenta e analisa os dados obtidos.

GRÁFICOS,TABELAS E FIGURAS
Seguem as orientações de formatação para produção de artigos e trabalhos interdisciplinares, descritos anteriormente.

10.5.7 Considerações Finais / Conclusão

Confirma/refuta os objetivos do trabalho.

10.5.8 Referências

Cita autores mencionados no texto (conforme ABNT - NBR 6023:  2002.).

Todos os direitos reservados © 2002-2014 - Instituto de Ensino Superior de Foz do Iguaçu
Av. Paraná, 3.695 - Jardim Central - Foz do Iguaçu/PR - Tel.: (45) 3520-1727